Avançar para o conteúdo principal

IE, isto é: Inteligência Emocional

Após algum tempo de silêncio regressamos em força! Este tempinho foi bom para reflectir e pesquisar sobre o que é que verdadeiramente interessante para a nossa agradável, mas também arrebatadoramente apaixonante, vivência!
Entretanto tivemos uma sondagem (pequenina, mas uma sondagem!) que me leva a crer que há determinados temas que são importantes para todos nós! Quer o desenvolvimento pessoal, quer temas como as emoções ou o stress e até mesmo uma sexualidade saudável, dependem de conseguirmos gerir bem a nossa vida emocional. Para estarmos à vontade connosco e com os outros temos de conseguir dominar a nossa Inteligência Emocional! Então, faz sentido que neste nosso espaço, que falemos de
emoções, sensações e comportamentos, vamos percorrendo um caminho de diversas etapas que começará por explicar o que é isto da Inteligência Emocional (IE).
Por vezes referimo-nos à IE como QE (quociente de inteligência emocional), que no fundo é a medida da IE que nos caracteruza, lá iremos. O QE caminha de mãos dadas com o QI e que é essencial para uma vida tranquila e realizada em todas as áreas da nossa vida, desde o percurso pessoal, social, profissional, e claro, afectivo.
Deste modo, espero que claro mas suficiente para nos familiarizarmos com a Inteligência Emocional, que não é mais do que uma parte essencial nossa, que pode (e deve!!!) ser treinada, tal como a comunicação ou o sabermos calcular, possamos entrar nesta jornada da nossa mente. Vamos tornar simples o que é, de facto, simples, para que saibamos lidar com o que é complicado quando somos assaltados de surpresa!
O que é a Inteligência Emocional?
"A inteligência emocional é simplesmente o uso inteligente das emoções."
Willian James
Isto é fazer, intencionalmente, com que suas emoções trabalhem a seu favor.
"A Inteligência Emocional está relacionada a competências tais como motivar-se a si mesmo e persistir mediante frustrações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a alcançarem o seu potencial e a conseguir seu ligamento a objectivos de interesses comuns."
Gilberto Vitor
Até há pouco tempo atrás o sucesso de uma pessoa era avaliado pelo raciocínio lógico e habilidades matemáticas e espaciais (QI). Mas o psicólogo Daniel Goleman, traz o conceito da inteligência emocional como maior responsável pelo sucesso ou insucesso das pessoas.
A maioria da situações de trabalho é envolvida por relacionamentos entre as pessoas. Desta forma pessoas com qualidades de relacionamento humano, como afabilidade, compreensão, gentileza têm mais hipóteses de obter o sucesso.
"É com o coração que se vê correctamente; o essencial é invisível aos olhos."
Antoine de Saint-Exupéry
"Qualquer um pode zangar-se, isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa, isso não é fácil"
Aristóteles
A Inteligência emocional ao serviço das empresas é mais que um conceito rigoroso, é uma fórmula que permite um melhor relacionamento entre as pessoas e os relacionamentos, alcançando melhores resultados.
Daniel Goleman, mapeia da Inteligência Emocional em cinco áreas de habilidades:
Auto-Conhecimento Emocional - reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre.
Controlo Emocional - habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação.
Auto-Motivação - dirigir emoções a serviço de um objectivo é essencial para manter-se caminhando sempre em busca.
Reconhecimento de emoções em outras pessoas.
Habilidade em relacionamentos inter-pessoais.
As três primeiras referem-se a Inteligência Intra-Pessoal. As duas últimas, a Inteligência Inter-Pessoal.
Inteligência Inter-Pessoal
É a habilidade de entender outras pessoas: o que as motiva, como trabalham, como trabalhar de modo cooperativo com elas.
Inteligência Intra-Pessoal
É a mesma habilidade, só que voltada para si mesmo. É a capacidade de formar um modelo verdadeiro e preciso de si mesmo e usá-lo de forma efectiva e construtiva.
Inteligência Inter-Pessoal
Organização de Grupos: é a habilidade essencial da liderança, que envolve iniciativa e coordenação de esforços de um grupo, habilidade de obter do grupo o reconhecimento da liderança, a cooperação espontânea.

Negociação de Soluções: o papel do mediador, prevenindo e resolvendo conflitos.
Empatia - Sintonia Pessoal: é a capacidade de, identificando e entendendo os desejos e sentimentos das pessoas, responder (reagir) de forma apropriada de forma a canalizá-los ao interesse comum.
Sensibilidade Social: é a capacidade de detectar e identificar sentimentos e motivos das pessoas.
Componentes da Inteligência Emocional
A capacidade de perceber, avaliar e expressar correctamente uma emoção.
A capacidade de gerar ou ter acesso a sentimentos quando eles puderem facilitar sua compreensão de si mesmo ou do outro.
A capacidade de compreender as emoções e o conhecimento derivado delas.
A capacidade de controlar as próprias emoções para promover o crescimento emocional e intelectual.

E porque não vivemos sem IE, não vivemos sem emoções, amigas ou vampirinhas, que nos levam desde a viagem mais fabulosa e feliz até ao percurso mais sombrio e tristonho... Para nos sentirmos como desejamos, mais vale conhecer bem as nossas emoções!!
Para tudo isto e muito mais, não percam:
PRÓXIMO CAPÍTULO:
A importância das emoções

Ajamos sobre o que sentimos, antes que o que sentimos aja sobre nós!
Isabel Filipe

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gestão das Emoções, suas competências e aspectos

Continuemos a nossa jornada pela Gestão dos nosso sentimentos! Hoje vamos conhecer, aprofundadamente, o modo de gerirmos as nossas emoções, tendo em conta os seus aspectos pessoais e sociais! Mas atenção: Ler é fácil... Difícil é por em prática o que descobrimos. Mas se pensarmos bem, o mero conhecimento da vida não nos permite vive-la, portanto sugiro: porque não experimentar o que vos parecer agradável?

Confiança em si próprio

Auto-confiança! Esta palavrinha pequena, com consequências tão grandes! Com toda a certeza, há dias em que se sentem mais seguros de vocês próprios e outros que parece que não vale a pena afirmarem-se nadinha, pois estão muito incertos que valha a pena partilharem o que quer que seja... Ainda podem conhecer aquelas pessoas, que "muito cheias delas mesmas", consideram que, independentemente de com quem estão, eles sabem mais, conhecem melhor, praticam com mais mestria! Daí que seja tão útil (e mais agradável para a sociedade!!!) termos um nível óptimo de auto-confiança! Para cuidarmos bem de nós e para respeitarmos o outro! Mais à frente iremos aprofundar a

Posso melhorar a opinião que tenho de mim próprio?

Ora vamos finalmente inserir informações neste espaço criado para que possamos partilhar acções e sentimentos! Começamos com autoestima, conhecermos e estimularmos a nossa só depende d e nós mas afecta a todos! Leiam, ajam, s intam e comentem! Este tema ins ere-se no Desenvolvimento Pessoal, da sondagem sobre os temas que preferem, o qual mereceu o seu primeiro voto antes de todas as outras áreas, pelo que vai estrear o nosso blog! Falemos então sobre a autoestima! A autoestima é dos melhores amigos que podemos ter quer para sermos mais felizes, quer para tratarmos os outros com mais respeito! Se juntarmos o nosso auto-conhecimento e o nosso auto-respeito, deparamo-nos com a nossa autoconfiança! E se juntarmos a nossa autoconfiança à nossa autoestima, resulta no

Depressão, a doença da tristeza - Parte 1

Hoje vamos falar sobre uma epidemia silenciosa, que gosta de se camuflar de tristeza. Estar triste é sentir melancolia. Sentir melancolia é pintar a imagem interior com cores sombrias. Tudo o que vemos e pensamos passa por um filtro pessimista, cinzento. Há um grande mal-estar afectivo. As diferenças entre a tristeza psíquica (reactiva) e a tristeza depressiva (sem motivo) são interessantes. A tristeza psíquica deve-se a