Avançar para o conteúdo principal

Confiança em si próprio


Auto-confiança! Esta palavrinha pequena, com consequências tão grandes! Com toda a certeza, há dias em que se sentem mais seguros de vocês próprios e outros que parece que não vale a pena afirmarem-se nadinha, pois estão muito incertos que valha a pena partilharem o que quer que seja... Ainda podem conhecer aquelas pessoas, que "muito cheias delas mesmas", consideram que, independentemente de com quem estão, eles sabem mais, conhecem melhor, praticam com mais mestria! Daí que seja tão útil (e mais agradável para a sociedade!!!) termos um nível óptimo de auto-confiança! Para cuidarmos bem de nós e para respeitarmos o outro! Mais à frente iremos aprofundar a
relação desta componentezinha tão importante com a nossa auto-estima! E acreditem que vale a pena conhecê-la! Mas para já, de momento, vamos conhecer um bocadinho melhor este pedaço de nós próprios, aqui vai:

O que é a auto-confiança? É a coragem que deriva da certeza das nossas capacidades, valores e objectivos. Uma sensação muito clara do nosso valor e das nossas capacidades. É, ainda, uma das valências que completa a nossa auto-estima! Então, vale a pena cuidar bem dela!
As pessoas dotadas desta competência:

  • Manifestam confiança em si mesmas e possuem presença.
  • Podem expressar pontos de vista importantes e defender sem apoio de ninguém o que consideram correcto.
  • São empreendedoras e capazes de assumir decisões importantes apesar da incerteza e pressão de algumas situações.
  • A confiança em si mesmo permite que enfrentemos as dificuldades que nos são apresentadas, ou seja, proporciona-nos, a segurança suficiente para assumir o papel de líder.
Para os que têm falta de auto-confiança:
  • Cada fracasso confirma a sua sensação de incompetência.
  • Manifestam-se sentimentos de impotência, inoperância e uma avassaladora sensação de insegurança.
  • Receio de parecer incapazes.
  • Renunciam facilmente às próprias opiniões e juízos, inclusivamente às boas ideias, quando estas são questionadas.
  • Mostram-se indecisos crónicos, particularmente sob pressão.
  • Assustam-se perante o mínimo risco.
  • Não sabem comunicar as ideias úteis.
Um excesso de confiança em si mesmo pode produzir:

  • Arrogância (sobretudo se a pessoa não tem habilidades).
  • Pode ser uma manifestação de ausência da realidade.
  • Pode até levar a que as pessoas se afastem de nós (Porque será que isto acontece? ;) )
As pessoas com uma autoconfiança ADEQUADA:
  • Revelam-se eficazes.
  • São capazes de assumir desafios e dominar novas tarefas, apesar das possíveis críticas contra.
  • Vêm-se a si mesmos como catalizadores, promotores e iniciadores.
  • Justificam adequadamente as suas decisões e acções, mostrando-se firmes perante estas.
  • Sentem-se com energia suficiente para tomar decisões.
  • Têm o valor de se expressar, de dizer o que realmente acreditam.
Que dizem a todas estas características? Fácil de as alcançar ou nem por isso? Acham que se enquadram numa auto-confiança alta, baixa, ou bem adaptada? Será que estão a descobrir algo sobre vocês mesmos? Partilhem!!! O que eu tenho a dizer é que a auto-confiança não é imutável, ou seja, vai variando ao longo da nossa vida, até mesmo ao longo do próprio dia! Esperanças para quem não acredita que pode mudar! É porque pode mesmo! É só querer! Confiem em vocês!

Para no próximo capítulo, a não perder:
Serão os nossos impulsos mais poderosos do que a nossa mente?!

Ajamos sobre o que sentimos, antes que o que sentimos aja sobre nós!
Isabel Filipe

Comentários

  1. Nossa eu estou passando por isso
    faço enfermagem e na minha avaliação de estgaio meu professor flw que eu sou muito inteligente mas me falta confiança..eu queria mudar, mas não vejo como!

    ResponderEliminar
  2. ata confiança É Uma coisa muito importante para nossa vidas beijinho thau

    ResponderEliminar
  3. Obrigada pelo interesse. É verdade, a autoconfiança é essencial para nos sentirmos bem e seguros connosco próprios. E é uma competência possível de ser desenvolvida e trabalhada, já que vai variando ao longo de um espectro ao longo da nossa vida.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Gestão das Emoções, suas competências e aspectos

Continuemos a nossa jornada pela Gestão dos nosso sentimentos! Hoje vamos conhecer, aprofundadamente, o modo de gerirmos as nossas emoções, tendo em conta os seus aspectos pessoais e sociais! Mas atenção: Ler é fácil... Difícil é por em prática o que descobrimos. Mas se pensarmos bem, o mero conhecimento da vida não nos permite vive-la, portanto sugiro: porque não experimentar o que vos parecer agradável?

Posso melhorar a opinião que tenho de mim próprio?

Ora vamos finalmente inserir informações neste espaço criado para que possamos partilhar acções e sentimentos! Começamos com autoestima, conhecermos e estimularmos a nossa só depende d e nós mas afecta a todos! Leiam, ajam, s intam e comentem! Este tema ins ere-se no Desenvolvimento Pessoal, da sondagem sobre os temas que preferem, o qual mereceu o seu primeiro voto antes de todas as outras áreas, pelo que vai estrear o nosso blog! Falemos então sobre a autoestima! A autoestima é dos melhores amigos que podemos ter quer para sermos mais felizes, quer para tratarmos os outros com mais respeito! Se juntarmos o nosso auto-conhecimento e o nosso auto-respeito, deparamo-nos com a nossa autoconfiança! E se juntarmos a nossa autoconfiança à nossa autoestima, resulta no

Depressão, a doença da tristeza - Parte 1

Hoje vamos falar sobre uma epidemia silenciosa, que gosta de se camuflar de tristeza. Estar triste é sentir melancolia. Sentir melancolia é pintar a imagem interior com cores sombrias. Tudo o que vemos e pensamos passa por um filtro pessimista, cinzento. Há um grande mal-estar afectivo. As diferenças entre a tristeza psíquica (reactiva) e a tristeza depressiva (sem motivo) são interessantes. A tristeza psíquica deve-se a