Avançar para o conteúdo principal

Traços dos líderes: os que fracassam... Os que são bem sucedidos!

Conforme combinamos, cá estamos de volta aos nossos temas que nos permitem vermos a vida de uma perspectiva mais dinâmica, adaptada e, por conseguinte, prazenteira! Hoje vamos falar das características mais importantes que um líder deve ter para poder ser considerado um bom gestor de uma equipa! É importante falarmos sobre isto porque quase todos nós ou somos líderes ou estamos sob a alçada de um! Por vezes, ainda, chefiamos equipas, mas nós próprios estamos subordinados a outrem! E enquanto podemos achar que somos óptimos a gerir a nossa equipa, podemos ter o pior chefe do mundo!!! E será mesmo assim?
Vamos empreender nesta nova jornada! Experiências e comentários são, cauto-confiança, autoestima, confiança, omo sempre bem-vindos! Só com a experiência podemos aprender cada vez mais, já dizia a viagem anterior!

O que deve um líder procurar na sua equipa

  • Capacidade de boa comunicação verbal
  • Adaptabilidade e capacidade de resposta criativa perante contratempos e obstáculos
  • Capacidade de controlar-se a si mesmo, confiança e motivação para trabalhar na prossecução de determinados objectivos, sensação de querer abrir um caminho e sentir-se orgulhoso de êxitos atingidos.
  • Eficácia grupal e interpessoal, cooperação, capacidade de trabalhar em equipa e habilidade para negociar os conflitos.
  • Eficácia dentro da organização, predisposição para participar activamente e potencial de liderança, de modo a que se possa confiar a delegação de tarefas.
A maioria das situações de trabalho é envolvida por relacionamentos entre as pessoas.

Características dos líderes que fracassam
  • Rigidez: incapacidade para se adaptar à mudança e impossibilidade para assimilar ou responder adequadamente à retroalimentação sobre os traços que devem ser adaptados ou melhorados. Capacidade de ouvir e aprender pouco desenvolvida.
  • Relações muito empobrecidas: Pessoas que criticam muito severamente, insensíveis ou demasiadamente exigentes que acabam por confundir os membros da sua equipa.
  • Auto controlo: Os líderes que fracassam suportam mal a pressão e tendem para o mau humor e ataques de cólera. O líder com êxito não perde o equilíbrio durante as situações tensas, mesmo que receie algo durante uma crise, mantém a serenidade.
  • Responsabilidade: Quem fracassa reage defensivamente perante os erros e as críticas, negando-as, encobrindo-as ou tentando descarregar a sua responsabilidade sobre as outras pessoas.
  • Fidelidade: Os erros estão ligados ao excesso de ambição, ao desejo de seguir em frente à custa dos demais. Os líderes que triunfam mostram um profundo interesse pelas necessidades dos seus subordinados.
  • Habilidades sociais: Os que fracassam mostram excesso de arrogância, agressividade ou prepotência.
  • Estabelecimento de vínculos e aproveitamento da diversidade: os líderes que fracassam são incapazes de criar uma rede de cooperação e relações proveitosas e saudáveis.
Traços dos líderes de êxito
  • Algumas competências que diferenciam líderes de êxito de outros são empatia, autodisciplina e iniciativa.
  • Para enfrentar adequadamente as situações emocionais, é fulcral saber ser um bom mediador, saber despertar a confiança dos outros e estabelecer uma boa comunicação entre líder e equipa, sabendo ouvir, persuadir e aconselhar. Para poder manter a confiança da equipa, deve ser capaz de estar consciente de si mesmo, assumir o ponto de vista do outro e também ser capaz de estar plenamente presente.
  • A única habilidade cognitiva que diferencia os líderes de êxito dos medíocres é a capacidade de reconhecer informação, ou seja, a capacidade de extrair informação necessária para compreender as tendências mais relevantes e criar uma visão global que permita planificar estratégias de acção para o futuro.
  • Os melhores estão sempre dispostos, por exemplo, a ficar um tempo extra para ajudar os seus companheiros a concluir um projecto e não guardam para si pequenas descobertas que possam facilitar o trabalho, mas antes partilham-nas abertamente com a equipa. São pessoas que não competem: colaboram.
As competências emocionais mais relevantes para o êxito estão dentro dos três grupos seguintes:
  • Iniciativa, motivação de êxito e adaptabilidade.
  • Influência, capacidade para liderar equipas e consciência política.
  • Empatia, confiança em si mesmo e capacidade para encorajar o desenvolvimento dos demais.
Num mundo tão inquieto verificamos que a flexibilidade, a possibilidade de adaptar-se à mudança, é mais importante do que a própria experiência! Temos sempre de ter isto em mente se queremos ter sucesso quer no mundo profissional quer no mundo pessoal!

Como um dos traços marcados para conseguirmos gerir bem a nossa vida é a auto-confiança, não podemos deixar de a abordar! Também iremos ao autocontrolo, bem como ao esforço necessário para regularmos as nossas emoções, mas esses temas só mais à frente! Para já:

Para o próximo capítulo, a não perder:
Confiança em si próprio!

Ajamos sobre o que sentimos, antes que o que sentimos aja sobre nós!

Isabel Filipe

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gestão das Emoções, suas competências e aspectos

Continuemos a nossa jornada pela Gestão dos nosso sentimentos! Hoje vamos conhecer, aprofundadamente, o modo de gerirmos as nossas emoções, tendo em conta os seus aspectos pessoais e sociais! Mas atenção: Ler é fácil... Difícil é por em prática o que descobrimos. Mas se pensarmos bem, o mero conhecimento da vida não nos permite vive-la, portanto sugiro: porque não experimentar o que vos parecer agradável?

Confiança em si próprio

Auto-confiança! Esta palavrinha pequena, com consequências tão grandes! Com toda a certeza, há dias em que se sentem mais seguros de vocês próprios e outros que parece que não vale a pena afirmarem-se nadinha, pois estão muito incertos que valha a pena partilharem o que quer que seja... Ainda podem conhecer aquelas pessoas, que "muito cheias delas mesmas", consideram que, independentemente de com quem estão, eles sabem mais, conhecem melhor, praticam com mais mestria! Daí que seja tão útil (e mais agradável para a sociedade!!!) termos um nível óptimo de auto-confiança! Para cuidarmos bem de nós e para respeitarmos o outro! Mais à frente iremos aprofundar a

Posso melhorar a opinião que tenho de mim próprio?

Ora vamos finalmente inserir informações neste espaço criado para que possamos partilhar acções e sentimentos! Começamos com autoestima, conhecermos e estimularmos a nossa só depende d e nós mas afecta a todos! Leiam, ajam, s intam e comentem! Este tema ins ere-se no Desenvolvimento Pessoal, da sondagem sobre os temas que preferem, o qual mereceu o seu primeiro voto antes de todas as outras áreas, pelo que vai estrear o nosso blog! Falemos então sobre a autoestima! A autoestima é dos melhores amigos que podemos ter quer para sermos mais felizes, quer para tratarmos os outros com mais respeito! Se juntarmos o nosso auto-conhecimento e o nosso auto-respeito, deparamo-nos com a nossa autoconfiança! E se juntarmos a nossa autoconfiança à nossa autoestima, resulta no

Depressão, a doença da tristeza - Parte 1

Hoje vamos falar sobre uma epidemia silenciosa, que gosta de se camuflar de tristeza. Estar triste é sentir melancolia. Sentir melancolia é pintar a imagem interior com cores sombrias. Tudo o que vemos e pensamos passa por um filtro pessimista, cinzento. Há um grande mal-estar afectivo. As diferenças entre a tristeza psíquica (reactiva) e a tristeza depressiva (sem motivo) são interessantes. A tristeza psíquica deve-se a