Avançar para o conteúdo principal

Serão os nossos impulsos mais poderosos do que a nossa mente?!



Regressamos tardiamente, mas com muita vontade! O Verão abranda sempre tudo à nossa volta, o que não implica que nos deixemos levar por essa apatia! Quando desejamos algo, conseguimos, de facto, lutar para que isso aconteça. Termos consciência de como
somos e do que desejamos mudar é essencial! Então aqui vamos nós entrar no mundo da impulsividade e, mais importante, do autocontrolo!

Autocontrolo
As pessoas dotadas de Autocontrolo governam adequadamente os seus sentimentos impulsivos e as suas emoções conflituosas. Permanecem equilibradas, positivas e imperturbáveis mesmo nos momentos mais críticos! Conseguem pensar com clareza e permanecem concentrados apesar de qualquer pressão.
Podemos achar que tal não é possível, que estas pessoas são mais calmas já de si ou que, na realidade, nunca lhes aconteceu nada intenso o suficiente para que percam as estribeiras! Mas a verdade é que tudo reside no poder mental de cada um! Perante a mesma situação ,uma pessoa com autocontrolo irá reagir de modo muito diferente de alguém impulsivo! E, garantidamente ,terá uma vida mais feliz e adaptada, com maior controlo sobre si mesmo. Além de que ao controlarmo-nos melhor, retiramos poder de controlo sobre nós ao outro! E isso sabe sempre bem, somos nós que mandamos em nós próprios ou não?

Nunca nos podemos esquecer de um ponto importante! Passamos a vida a tentar mudar quem nos rodeia, seja porque nos aborrecem ou porque não nos compreendem! A verdade nua e crua é que, por mais voltas que demos, nós não controlamos as acções dos outros, mas sem dúvida controlamos as nossas reacções a elas! E como uma acção gera uma reacção, se conseguirmos moderar o modo como reagimos às situações, controlando não apenas linguagem verbal e não verbal, mas também o nível que determinada situação nos afecta, seremos sem dúvida mais saudáveis e tranquilos. Num quotidiano em que o imprevisto é o mais comum, é essencial conseguirmos controlar as nossas reacções, de modo a sermos "reis em terra de cegos!"

Quando as emoções transbordam
  • As situações que nos enervam parecem multiplicar-se e desde o ponto de vista do nosso corpo não existe nenhuma diferença entre a nossa casa, o nosso trabalho, os nossos amigos ou até a escola. O corpo apenas compreende que está sob uma grande dose de stress, ansiedade e pressão, que eventualmente irão transbordar em sintomas muito desagradáveis, que podem mesmo por a saúde em risco, por exemplo, enxaquecas, dores de estômago, palpitações, erupções cutâneas e um sem fim de complicações físicas e mentais. A probabilidade de isto acontecer é tanto maior quanto mais "entalarmos" dentro de nós!
  • Assim, novamente relembramos que, se formos expressando as nossas emoções, manifestando os nossos sentimentos e sermos claros quanto ao que desejamos, seguramente seremos mais saudáveis! Não só nos vai aumentar o bem-estar no momento como também proteger-nos no futuro!

Impulsividade
  • É a incapacidade de refrear uma resposta que está desencadeada. Uma vez iniciada a acção em que estamos inseridos, iremos gerar uma resposta, que depende de nós em qualidade e intensidade.
  • Quando somos demasiados impulsivos, não controlamos em nada a resposta/reacção que vamos produzir, perdendo, assim, o controlo que temos sobre nós . É fácil compreendermos porque que é que isto é negativo. Imaginemos a situação em que estamos se caracteriza por um encontro com aquelas pessoas cujo passatempo é aborrecer os outros! Sabemos que existem, talvez até em demasia! Por conseguinte, se não conseguimos controlar o modo como essa pessoa mexe connosco, transmitindo que estamos a ser incomodados, respondendo-lhe enervados como ela deseja ou simplesmente porque todos os nossos poros emanam irritação, estamos a ser nossos inimigos! Deste modo estamos a dar mais poder a quem nos tenta arreliar. Não parece uma boa estratégia, pois não? Ao contrário, se conseguirmos, apesar de qualquer estímulos, mantermo-nos tranquilos, sossegados e pacíficos, eventualmente quem insiste em arreliar-nos, verá que é uma perda de tempo e desistirá! Soa melhor, não?

Concentração
  • O facto de nos vermos inundados de informação coloca-nos numa modalidade reactiva de resposta. Como cada uma destas mensagens constitui uma distracção, a função mais afectada é a concentração, tornando-se muito difícil voltar a concentrar-se numa tarefa que foi interrompida. Assim, por efeito cumulativo, vemo-nos numa situação de distracção crónica.

A auto regulação das emoções

Esforço emocional
  • Refere-se ao esforço interno que temos de realizar, quer para controlar as nossas emoções, quer para compreender as emoções dos outros.
  • Para poder determinar o custo do esforço emocional, devemos conhecer o grau de identificação que cada pessoa mantêm com cada situação em que se vê inserida.

Excesso de controlo emocional
  • O autocontrolo emocional não é o mesmo que excesso de controlo, ou seja, a extinção de qualquer sentimento espontâneo que, obviamente, tem um custo, físico e mental. Devemos ser espontâneos, respeitar os nossos instintos! Simplesmente devemos ser capazes de parar antes de iniciar uma resposta, de modo a analisarmos se essa é a mais adequada para o que pretendemos transmitir! Reprimirmos tudo o que sentimos apenas contribui para o transbordar de emoções que falamos antes.

Os benefícios da consciência de si próprio
  • O simples facto de se estar consciente dos sentimentos que existem no nosso interior pode exercer um efeito muito positivo sobre a nossa saúde.
  • O autoconhecimento desempenha um papel fundamental no controlo do stress.

Não manifestar emoções: Implosão Mental
  • As pessoas que não manifestam as emoções que sentem, experimentam, em determinada altura, um colapso interno próprio de tal situação.
  • Este colapso poderá tomar a forma de um problema psicossomático ainda que não se vejam afectados pela gravidade deste sequestro emocional.

É essencial que cuidemos da nossa saúde mental. Para isso, devemos respeitar-nos sempre, para que possamos respeitar, também os outros. Se não estivermos bem, com uma auto-estima elevada e seguros de nós próprios dificilmente vamos poder gostar e cuidar dos outros como desejamos.
Pois é, afinal os nossos impulsos podem ser uns malandros e tentarem trair o que pretendemos passar! Mas na luta contra a mente só vence quem a mente deixa! E se tentarem e não conseguirem, não desesperem! É tudo uma questão de treino mental! Dá trabalho, mas compensa! Boas vitórias!



Próximo tema: Henry Kissinger afirma que a tarefa do líder é conseguir levar os membros da sua equipa de onde estão para onde nunca estiveram. Como cábula para que isto aconteça, vamos aqui revelar os Nuncas e os Sempres do Sr. Lawson. E não é que chegam 2 Sempres para 15 Nuncas?

Para no próximo capítulo, a não perder:
As regras de Lawson, para uma boa liderança



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gestão das Emoções, suas competências e aspectos

Continuemos a nossa jornada pela Gestão dos nosso sentimentos! Hoje vamos conhecer, aprofundadamente, o modo de gerirmos as nossas emoções, tendo em conta os seus aspectos pessoais e sociais! Mas atenção: Ler é fácil... Difícil é por em prática o que descobrimos. Mas se pensarmos bem, o mero conhecimento da vida não nos permite vive-la, portanto sugiro: porque não experimentar o que vos parecer agradável?

Confiança em si próprio

Auto-confiança! Esta palavrinha pequena, com consequências tão grandes! Com toda a certeza, há dias em que se sentem mais seguros de vocês próprios e outros que parece que não vale a pena afirmarem-se nadinha, pois estão muito incertos que valha a pena partilharem o que quer que seja... Ainda podem conhecer aquelas pessoas, que "muito cheias delas mesmas", consideram que, independentemente de com quem estão, eles sabem mais, conhecem melhor, praticam com mais mestria! Daí que seja tão útil (e mais agradável para a sociedade!!!) termos um nível óptimo de auto-confiança! Para cuidarmos bem de nós e para respeitarmos o outro! Mais à frente iremos aprofundar a

Posso melhorar a opinião que tenho de mim próprio?

Ora vamos finalmente inserir informações neste espaço criado para que possamos partilhar acções e sentimentos! Começamos com autoestima, conhecermos e estimularmos a nossa só depende d e nós mas afecta a todos! Leiam, ajam, s intam e comentem! Este tema ins ere-se no Desenvolvimento Pessoal, da sondagem sobre os temas que preferem, o qual mereceu o seu primeiro voto antes de todas as outras áreas, pelo que vai estrear o nosso blog! Falemos então sobre a autoestima! A autoestima é dos melhores amigos que podemos ter quer para sermos mais felizes, quer para tratarmos os outros com mais respeito! Se juntarmos o nosso auto-conhecimento e o nosso auto-respeito, deparamo-nos com a nossa autoconfiança! E se juntarmos a nossa autoconfiança à nossa autoestima, resulta no

Depressão, a doença da tristeza - Parte 1

Hoje vamos falar sobre uma epidemia silenciosa, que gosta de se camuflar de tristeza. Estar triste é sentir melancolia. Sentir melancolia é pintar a imagem interior com cores sombrias. Tudo o que vemos e pensamos passa por um filtro pessimista, cinzento. Há um grande mal-estar afectivo. As diferenças entre a tristeza psíquica (reactiva) e a tristeza depressiva (sem motivo) são interessantes. A tristeza psíquica deve-se a