Avançar para o conteúdo principal

Felicidade, acompanha o meu caminho!

Chegou a Primavera e, com ela, sorrisos iluminados por um sol quentinho, novos alentos para projectos preguiçosos e uma motivação já esquecida no meio de tanta melancolia e chuva. Este ânimo renovado que esta estação de claridade, novos sons e boa disposição nos traz, faz com que nos sintamos mais felizes. E por isso mesmo, hoje vou abordar este tema tão simples e tão polémico: Será que somos felizes? Como podemos ser mais? Porque que é que ele/ela não me faz mais feliz?! Vamos 
começar por nos sentar numa rodinha e ouvir uma pequena história:
"Era uma vez um cãozinho que parou e ficou a admirar um enorme cão que teimava em correr atrás da sua cauda. Ele estranhava a atitude daquele ser tão imponente que, de tanto esforço, ficava cada vez mais tonto, caindo constantemente. Já sem forças e muito frustrado, o cão grande foi interrogado pelo cãozinho: "Por que continuas a fazer isso?" O enorme cão respondeu: "Descobri que a felicidade vem naqueles instantes em que consigo apanhar a minha própria cauda! Então, estou a correr atrás dela para a apanhar. Mas a cada hora, ela parece ficar mais distante..." O cãozinho compreendeu o dilema, apanhar a cauda realmente trazia-lhe felicidade, mas o acto de a perseguir eternamente era demasiado cansativo... Então ele pensou, pensou e sugeriu-lhe: "Não faças mais isso, faz antes como eu! Deixa a vida correr, vai seguindo a vida que a felicidade vem sempre atrás de ti!"
Aqui observamos, através dos nossos amigos peludos, um enorme direito e dever do ser humano: ser responsável pela própria felicidade! Apenas nós próprios devemos sentir-nos responsáveis pela nossa felicidade. Claro que existem muitas tarefas e actos em conjunto com o outro, que nos alimentam o coração e ,fazem sentirmo-nos ainda mais felizes, mas o outro, sejam eles amigos, família ou o nosso cônjuge, apenas devem ser isso mesmo: potenciadores da felicidade que nós escolhemos para nós próprios! Se nos sentirmos bem na nossa pele, realizados com as nossas escolhas, tranquilos e alegres dentro do nosso mundo, seremos muito melhor companhia, seremos melhores filhos, pais, namorados(as) e maridos(as) :-) e amigos. Vamos saber cuidar melhor do outro porque também sabemos cuidar bem de nós, ao contrário de responsabilizar tudo e todos por não nos sentirmos bem. 
Assim, sugiro a todos que, esta Primavera, que ainda nos está a pôr à prova, se permitam compreender o outro lado desta parábola: é essencial fazer tudo o que gostamos, queremos, nos realiza. Desafiar a nossa própria inércia e descobrir novos projectos que nos entusiasmem e façam sentir bem. Todas as actividades que nos levam a sentirmo-nos felizes são bem vindas e devemos querer faze-las. Mas lembrem-se, apanhar a cauda não é o mesmo que persegui-la! A felicidade tem de ser encontrada no dia-a-dia, naqueles pequenos nadas e tudos de que é feito o nosso quotidiano. Ninguém é feliz 24h, sentimo-nos de mil e uma maneiras ao longo do dia, que dizer da semana ou de uma vida inteira. O importante é mesmo que o saldo seja sempre positivo, que de entre momentos cinzentos e de alturas de contentamento, a conta emocional seja positiva, de preferência bem recheada e que o titular principal, seja sempre cada um de nós.
Brindemos a fazer o que gostamos, que nos faz sorrir, porque a felicidade é contagiante!


Até breve!




Ajamos sobre o que sentimos, antes que o sentimos aja sobre nós!


Isabel Filipe

Comentários

  1. E a propósito, o que é que vos faz felizes? Dinheiro e uma piscina em casa? Ou são mais do género de relva molhada e o cheiro a café pela manhã?! :-)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Gestão das Emoções, suas competências e aspectos

Continuemos a nossa jornada pela Gestão dos nosso sentimentos! Hoje vamos conhecer, aprofundadamente, o modo de gerirmos as nossas emoções, tendo em conta os seus aspectos pessoais e sociais! Mas atenção: Ler é fácil... Difícil é por em prática o que descobrimos. Mas se pensarmos bem, o mero conhecimento da vida não nos permite vive-la, portanto sugiro: porque não experimentar o que vos parecer agradável?

Confiança em si próprio

Auto-confiança! Esta palavrinha pequena, com consequências tão grandes! Com toda a certeza, há dias em que se sentem mais seguros de vocês próprios e outros que parece que não vale a pena afirmarem-se nadinha, pois estão muito incertos que valha a pena partilharem o que quer que seja... Ainda podem conhecer aquelas pessoas, que "muito cheias delas mesmas", consideram que, independentemente de com quem estão, eles sabem mais, conhecem melhor, praticam com mais mestria! Daí que seja tão útil (e mais agradável para a sociedade!!!) termos um nível óptimo de auto-confiança! Para cuidarmos bem de nós e para respeitarmos o outro! Mais à frente iremos aprofundar a

Posso melhorar a opinião que tenho de mim próprio?

Ora vamos finalmente inserir informações neste espaço criado para que possamos partilhar acções e sentimentos! Começamos com autoestima, conhecermos e estimularmos a nossa só depende d e nós mas afecta a todos! Leiam, ajam, s intam e comentem! Este tema ins ere-se no Desenvolvimento Pessoal, da sondagem sobre os temas que preferem, o qual mereceu o seu primeiro voto antes de todas as outras áreas, pelo que vai estrear o nosso blog! Falemos então sobre a autoestima! A autoestima é dos melhores amigos que podemos ter quer para sermos mais felizes, quer para tratarmos os outros com mais respeito! Se juntarmos o nosso auto-conhecimento e o nosso auto-respeito, deparamo-nos com a nossa autoconfiança! E se juntarmos a nossa autoconfiança à nossa autoestima, resulta no

Depressão, a doença da tristeza - Parte 1

Hoje vamos falar sobre uma epidemia silenciosa, que gosta de se camuflar de tristeza. Estar triste é sentir melancolia. Sentir melancolia é pintar a imagem interior com cores sombrias. Tudo o que vemos e pensamos passa por um filtro pessimista, cinzento. Há um grande mal-estar afectivo. As diferenças entre a tristeza psíquica (reactiva) e a tristeza depressiva (sem motivo) são interessantes. A tristeza psíquica deve-se a