Avançar para o conteúdo principal

Depressão, a doença da tristeza - Parte 2


Bem-vindos a "Depressão, a doença da tristeza - Parte 2"! Temos de ter animo a transmitir este tema, para triste já nos basta o próprio conteúdo, nada fácil ou de espírito elevado! Comecemos por analisar como podemos agravar a situação de uma pessoa que se encontra deprimida. Piorar?! Exactamente, pois só assim saberemos como
evitar essas mesmas atitudes nada abonatórias de quem passa por esta doença tão voluntariosa e incapacitante, particularmente porque não a conseguimos medir com um aparelhómetro todo janota! Aqui ficam as sugestões:
Atitudes frequentes perante o deprimido: aumentar o problema!
  • A atitude voluntariosa
Algumas pessoas acreditam que basta um pouco de força de vontade para melhorar. Por isso, repetem, dia após dia à pessoa deprimida frases como “anima-te, não te deixes ir abaixo” ou “ reage, não fiques parado”. Mas é precisamente aí que reside o problema: a pessoa deprimida sente-se realmente cansada, tende a desistir perante as dificuldades que se lhe deparam e perde mesmo a vontade de viver. Por outras palavras, a atitude voluntariosa exige do deprimido precisamente o que ele não consegue fazer, levando a um desespero ainda maior.
  • A atitude superprotectora
Outra atitude que não promove a resolução do problema consiste em acreditar que o descanso pode remediar tudo. Na verdade, o deprimido já tem uma tendência exagerada para se fechar sobre si próprio e viver à margem do resto do mundo. Aconselhar repouso é uma atitude “proteccionista”, que visa “escudar” a pessoa deprimida dos estímulos da vida, doa quais, diga-se de passagem, todos precisamos. Se esta atitude de protecção se tornar sistemática, corre-se o risco de fazer com que a pessoa deprimida se demita das suas responsabilidades e se torne dependente do seu conselheiro ou confidente protector.
Para conseguir que o estado da pessoa deprimida melhore, é preciso, antes de mais, fazer com que deseje mudar. Para tal, convém ir ao seu encontro, tentando compreender as suas necessidades e ajudando a procurar soluções, a partir da sua situação concreta. Por vezes, isso significa simplesmente ouvir a pessoa.
Como podemos prevenir a depressão?
Como em todas as doenças, a prevenção é sempre a melhor abordagem, designadamente para as pessoas em situação de risco, pois permite a intervenção precoce de profissionais de saúde e impede o agravamento dos sintomas.
  • Aprender a lidar com o Stress
  • Gerir o Tempo
  • Viver o Presente, não parar no passado
  • Evitar pensamentos inúteis
  • Evitar a culpa e a autodestruição
  • Reduzir o medo de agir
  • Aprender a ser independente
  • Saber gerir a solidão, mas reduzir a solidão
  • Viver em harmonia psicológica:
§ Ser autónomo,
§ Conhecer e respeitar o seu “eu”,
§ Aceitar as mudanças,
§ Aceitar a realidade,
§ Ousar afirmar-se.
  • Viver em harmonia com o corpo
§ Respirar bem,
§ Alimentação saudável,
§ Saber relaxar
§ Fazer exercício físico
§ Manter uma sexualidade saudável
Tratamentos para a depressão?
  • Medicamentos antidepressivos e ansiolíticos
  • Terapias electroconvulsivas
  • Curas de sono
  • Tratamentos homeopáticos
  • Acupunctura
  • Fitoterapia
  • Psicoterapia (solução activa)
A medicação pode aliviar os sintomas e tornou-se, assim, a primeira linha de tratamento para a maioria dos tipos de depressão. Actualmente, os fármacos mais frequentemente prescritos pertencem a um grupo conhecido como Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina, em virtude de serem fáceis de tomar e relativamente seguros, quando comparados com as gerações anteriores de fármacos, nomeadamente com os antidepressivos tricíclicos. Mas, os pacientes têm outras opções terapêuticas, nomeadamente a Psicoterapia, que permite identificar, compreender e resolver problemas que poderão estar na origem ou contribuir para a depressão. Regra geral, os estudos indicam que a combinação de medicamentos antidepressivos com a psicoterapia é mais eficaz do que qualquer um deles isolados, pelo que esta combinação é actualmente o tratamento mais recomendado. Nos casos de depressão grave poderá ser necessário, numa primeira fase, melhorar o humor através dos fármacos e só depois iniciar a Psicoterapia, que assim será mais eficaz.
OMS: Depressão será a doença mais comum do mundo em 2030
Dados divulgados em Setembro de 2009, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que, nos próximos 20 anos, a depressão deve se tornar a doença mais comum do mundo, afectando mais pessoas do que qualquer outro problema de saúde, incluindo cancro e doenças cardíacas. Segundo a OMS, a depressão será também a doença que mais gerará custos económicos e sociais para os governos, devido aos gastos com tratamento para a população e às perdas de produção. De acordo com o órgão, os países pobres são os que mais devem sofrer com o problema, já que são registados mais casos de depressão nestes lugares do que em países desenvolvidos. Actualmente, mais de 450 milhões de pessoas são afectadas directamente por transtornos mentais, a maioria delas nos países em desenvolvimento, segundo a OMS.
Espero que este aprofundar brevemente a capa da Depressão tenha sido útil. Se houver algo em eu possa ser útil em esclarecer, é favor indicarmo por aqui, para que possamos dar início à nossa tertúlia! Senão, vamos deixar este tema a repousar, na nossa mente e corações, pois seguramente conhecemos alguém que passa por um momento assim doloroso e compreende-lo vai seguramente ajudar-nos a lidar mais eficazmente com essa situação.
Como no início desta conversa, dei uma pitadinha ao referir o dificil modo concreto de diagnosticar a depressão, doença real, penso ser pertinente abordarmos no próximo capítulo, não uma doença mas um sintoma: a Hipocondria!
No próximo capítulo, a não perder:
Hipocondria: Quando se tem um sintoma e se acredita sofrer de todas as doenças!

Ajamos sobre o que sentimos, antes que o que sentimos aja sobre nós!

Isabel Filipe

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gestão das Emoções, suas competências e aspectos

Continuemos a nossa jornada pela Gestão dos nosso sentimentos! Hoje vamos conhecer, aprofundadamente, o modo de gerirmos as nossas emoções, tendo em conta os seus aspectos pessoais e sociais! Mas atenção: Ler é fácil... Difícil é por em prática o que descobrimos. Mas se pensarmos bem, o mero conhecimento da vida não nos permite vive-la, portanto sugiro: porque não experimentar o que vos parecer agradável?

Confiança em si próprio

Auto-confiança! Esta palavrinha pequena, com consequências tão grandes! Com toda a certeza, há dias em que se sentem mais seguros de vocês próprios e outros que parece que não vale a pena afirmarem-se nadinha, pois estão muito incertos que valha a pena partilharem o que quer que seja... Ainda podem conhecer aquelas pessoas, que "muito cheias delas mesmas", consideram que, independentemente de com quem estão, eles sabem mais, conhecem melhor, praticam com mais mestria! Daí que seja tão útil (e mais agradável para a sociedade!!!) termos um nível óptimo de auto-confiança! Para cuidarmos bem de nós e para respeitarmos o outro! Mais à frente iremos aprofundar a

Posso melhorar a opinião que tenho de mim próprio?

Ora vamos finalmente inserir informações neste espaço criado para que possamos partilhar acções e sentimentos! Começamos com autoestima, conhecermos e estimularmos a nossa só depende d e nós mas afecta a todos! Leiam, ajam, s intam e comentem! Este tema ins ere-se no Desenvolvimento Pessoal, da sondagem sobre os temas que preferem, o qual mereceu o seu primeiro voto antes de todas as outras áreas, pelo que vai estrear o nosso blog! Falemos então sobre a autoestima! A autoestima é dos melhores amigos que podemos ter quer para sermos mais felizes, quer para tratarmos os outros com mais respeito! Se juntarmos o nosso auto-conhecimento e o nosso auto-respeito, deparamo-nos com a nossa autoconfiança! E se juntarmos a nossa autoconfiança à nossa autoestima, resulta no

Depressão, a doença da tristeza - Parte 1

Hoje vamos falar sobre uma epidemia silenciosa, que gosta de se camuflar de tristeza. Estar triste é sentir melancolia. Sentir melancolia é pintar a imagem interior com cores sombrias. Tudo o que vemos e pensamos passa por um filtro pessimista, cinzento. Há um grande mal-estar afectivo. As diferenças entre a tristeza psíquica (reactiva) e a tristeza depressiva (sem motivo) são interessantes. A tristeza psíquica deve-se a