Avançar para o conteúdo principal

Talvez sim, Talvez não. Aguardemos para saber.

Olá a todos!

Então consta por aí que procuramos ser felizes. Que é o epítome dos nossos desejos. De preferência sem grande esforço. Más notícias... A dura verdade é que, se desejamos uma vida plena, saudável, equilibrada e feliz, vamos ter de investir nuns quantos objectivos. Salvaguardo que o conceito de felicidade, amplamente estudado e atafulhado em teorias fundamentais sobre como atingir o nirvana no mesmo, é muito volátil. Não apenas no tempo, oscila mais do que um mar revolto, mas também no que significa para cada um de nós. Tenhamos isso em conta, respeitemo-nos e não vamos regredir na história, fazendo dieta para cabermos em rótulos, magrinhos e pobres de espírito. Cada um saberá investir no que o faz feliz. E ainda bem!

Existe aqui um ponto que não podemos descurar. A felicidade não depende do que nos acontece mas  sim da forma como a percepcionamos. Por mais que torça o nariz ao ler esta afirmação, supondo que, num ou noutro momento, não será assim, eu garanto que o é e que este texto vai provar isso mesmo. Mais ainda,  estou tão confiante que iremos concordar em absoluto sobre este tema, que deixo prometido o seguinte: brevemente, partilharei também algumas estratégias que permitam estruturar o nosso dia de uma forma produtivamente feliz, incluindo estrategicamente actividades que nos tragam bem-estar e percepções positivas!

Há dias estava a fazer uma coisa que me faz feliz, que é desenvolver mais a empatia, através do estudo de casos cinematograficamente expostos (que é como quem arranja uma desculpa profissional para ver séries) e deparei-me com a seguinte situação:


Um velho agricultor arava o seu terreno já há vários anos. Certo dia, o seu cavalo fugiu. Ao saber da notícia, os vizinhos vieram consola-lo. “Que má sorte!” disseram, solidariamente. Ao que o agricultor apenas respondeu “Talvez sim, Talvez não. Aguardemos para saber”.

Na manhã seguinte, o cavalo regressou, trazendo com ele três outros cavalos selvagens. Os vizinhos, ao saber, exclamaram “Que maravilha!”. Novamente, o velho homem disse “Talvez sim, Talvez não. Aguardemos para saber”.

No dia seguinte, o filho do agricultor, ao tentar domar um dos cavalos selvagens, caiu e partiu uma perna. Os vizinhos regressaram, apresentando a sua preocupação pelo infortúnio: “Que pena.” O agricultor insistiu na resposta habitual: “Talvez sim, Talvez não. Aguardemos para saber”.

Mais um dia passou, e os militares vieram bater à sua porta, estavam a convocar todos os jovens da vila, ao serviço obrigatório no exército, que iria entrar em guerra. Vendo que o filho do velho homem estava com a perna partida, dispensaram-no. Os vizinhos congratularam o fazendeiro pela forma com que as coisas se tinham resolvido a seu favor. O velho homem, sorriu, olhou-os atentamente e, com um leve sorriso, proferiu: “Talvez sim, Talvez não. Aguardemos para saber”.


Ler este pequeno grande conto taoísta enche-nos de sorrisos e de ideias sobre como gostaríamos de encarar o nosso quotidiano. No entanto, como a mente é fugaz, rapidamente nos lembramos de certo acontecimento que é absoluta e inevitavelmente bom. Ou mau. E entornamos o caldo (sim, o caldo não fica entornado, nós é que nos encarregamos de o entornar). Sou uma defensora acérrima que tudo é relativo, tudo depende do referencial. Tudo depende de quem está a olhar. De como essa pessoa está a olhar. Tudo depende de tanta coisa.

Quero com isto dizer que nenhum evento é, na sua génese, bom ou mau, nem pode ser verdadeiramente julgado como tal. Apenas o tempo irá escrever toda a história, à qual dificilmente teremos total acesso. As pessoas perturbam-se, não com os eventos em si mesmos, mas com a sua interpretação sobre os mesmos. A única coisa que realmente controlamos são os nossos pensamentos deliberados, conscientes. Não podemos controlar os outros, não podemos controlar a natureza, nem sequer o nosso próprio corpo a 100%. É essencial reconhecermos que temos total controlo do processo que possa depender de nós e zero controlo do resultado. Se acreditarmos que somos capazes de gerir ao milímetro tudo o que acontecerá, num instante chocamos com a realidade (sempre pronta!).

Esta percepção sobre o que podemos, ou não, gerir, é benéfica para conseguirmos investir energia nas coisas que podemos mudar e para "fazer as pazes" com o factor inesperado da vida. Ao prepararmo-nos para cenários negativos, de forma construtiva e não obsessiva, aumentamos as hipóteses de que o seu impacto seja menor, aceitando-os.

De momento, quero apenas acrescentar que, embora o nosso comportamento e cognição sejam a únicas coisas sobre as quais podemos ter controlo, claro que temos uma pontinha de influência no que nos rodeia. Mesmo em relação com o outro, em que não temos qualquer poder sobre a forma como ele age, contudo, poderemos ter algum impacto na forma como escolhe fazê-lo. E aqui começamos a entrar no mundo mais prático de como podemos aplicar certas abordagens mais construtivas e dinamizar a positividade na nossa rotina. E assim sendo, conforme prometido, fica o até breve!

Despeço-me da melhor maneira que conheço:

Olhe sempre para o lado positivo da vida, com humor!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Gestão das Emoções, suas competências e aspectos

Continuemos a nossa jornada pela Gestão dos nosso sentimentos! Hoje vamos conhecer, aprofundadamente, o modo de gerirmos as nossas emoções, tendo em conta os seus aspectos pessoais e sociais! Mas atenção: Ler é fácil... Difícil é por em prática o que descobrimos. Mas se pensarmos bem, o mero conhecimento da vida não nos permite vive-la, portanto sugiro: porque não experimentar o que vos parecer agradável?

Confiança em si próprio

Auto-confiança! Esta palavrinha pequena, com consequências tão grandes! Com toda a certeza, há dias em que se sentem mais seguros de vocês próprios e outros que parece que não vale a pena afirmarem-se nadinha, pois estão muito incertos que valha a pena partilharem o que quer que seja... Ainda podem conhecer aquelas pessoas, que "muito cheias delas mesmas", consideram que, independentemente de com quem estão, eles sabem mais, conhecem melhor, praticam com mais mestria! Daí que seja tão útil (e mais agradável para a sociedade!!!) termos um nível óptimo de auto-confiança! Para cuidarmos bem de nós e para respeitarmos o outro! Mais à frente iremos aprofundar a

Posso melhorar a opinião que tenho de mim próprio?

Ora vamos finalmente inserir informações neste espaço criado para que possamos partilhar acções e sentimentos! Começamos com autoestima, conhecermos e estimularmos a nossa só depende d e nós mas afecta a todos! Leiam, ajam, s intam e comentem! Este tema ins ere-se no Desenvolvimento Pessoal, da sondagem sobre os temas que preferem, o qual mereceu o seu primeiro voto antes de todas as outras áreas, pelo que vai estrear o nosso blog! Falemos então sobre a autoestima! A autoestima é dos melhores amigos que podemos ter quer para sermos mais felizes, quer para tratarmos os outros com mais respeito! Se juntarmos o nosso auto-conhecimento e o nosso auto-respeito, deparamo-nos com a nossa autoconfiança! E se juntarmos a nossa autoconfiança à nossa autoestima, resulta no

Depressão, a doença da tristeza - Parte 1

Hoje vamos falar sobre uma epidemia silenciosa, que gosta de se camuflar de tristeza. Estar triste é sentir melancolia. Sentir melancolia é pintar a imagem interior com cores sombrias. Tudo o que vemos e pensamos passa por um filtro pessimista, cinzento. Há um grande mal-estar afectivo. As diferenças entre a tristeza psíquica (reactiva) e a tristeza depressiva (sem motivo) são interessantes. A tristeza psíquica deve-se a